CONTACTOS

Posto de Turismo de Coruche

posto.turismo@cm-coruche.pt
T: +351  243619072
Serviço de Turismo de Coruche

T: +351  243610820
turismo@cm-coruche.pt

www.visitcoruche.com

www.cm-coruche.pt

www.visitribatejo.pt

CONTACTAR

© Turismo de Coruche. Todos os direitos reservados.

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black TripAdvisor Icon

MONUMENTOS

Monumentos megalíticos

O conjunto megalítico de Coruche destaca-se pela diversidade tipológica das suas construções (antas, antelas e cistas) e pelo espólio a elas associado. Grosso modo enquadrável no 4.º e 3.º milénios a.C., os monumentos localizam-se no extremo sudeste do concelho de Coruche, uma área de montado geograficamente situada na parte Norte do Alentejo Central.

Visitar
Roteiro Megalítico de Coruche, Percursos da Água Doce, Azinhal, Vale de Gatos e Chapelar e Martinianos.

Realizar o roteiro carece de contacto com o Museu Municipal de Coruche (+351 243610820 / museu.municipal@cm-coruche.pt) ou Fencaça (+351 243675519 / fencaca@mail.telepac.pt).

 

Pelourinho

Símbolo por excelência da autoridade municipal e do poder concelhio, o primitivo pelourinho quinhentista situava-se no largo fronteiro ao edifício dos Paços do Concelho. Desmanchado por volta dos anos trinta do século XX, a coluna foi reutilizada numa construção da época, enquanto o capitel continua, ainda hoje, conservado numa casa particular. E foi precisamente a partir desses dois fragmentos que foi feita a reconstituição do atual pelourinho de Coruche. A réplica foi colocada em 1941 no largo, junto aos Paços do Concelho. 
 

Visitar

GPS 38°57'30.4"N 8°31'36.1"W

Ver no Google Maps

 

Ponte da Coroa

À saída da vila de Coruche, junto às pontes metálicas, encontra-se esta ponte construída com tijolo da região, em 1828, e cujo nome se deve ao facto de nela se empregarem, para a construção e reparação, as sisas reais. Tem uma lápide que ostenta o escudo, a coroa e o dístico latino empregue nas obras de utilidade pública. Encontra-se classificada como «Monumento de interesse público» (1983).

Permite, ainda hoje, a passagem sobre uma das zonas mais perigosas do rio: o Pego das Armas. Este nome, «Pego das Armas», advém de uma lenda que remonta aos tempos de D. Afonso Henriques: Quando o rei tomou Coruche, os mouros, em debandada, fugiram a caminho do rio. O monarca tomou-lhes o passo, cercou-os e convidou os que quisessem a permanecer nestas terras. Aceitaram, perante as garantias dadas. Como se fosse a assinatura de um pacto de paz, cristãos e mouros lançaram para o fundo do pego, as armas.

Visitar

GPS 38°57'11.7"N 8°31'08.0"W

Ver no Google Maps

 
 

Aqueduto do Monte da Barca

 

Construção que pode remontar aos períodos medieval/moderno, com 1000 metros de comprimento e arcos com a envergadura máxima de 3,40m e uma altura que chega a atingir os 4 metros.

Visitar

GPS 38°56'54.7"N 8°29'53.4"W

Ver no Google Maps